O que podemos aprender com Maria Madalena? | Por Lari Marolla

O que podemos aprender com Maria Madalena? | Por Lari Marolla

Existem tantas mulheres enigmáticas na Bíblia, tantas histórias vividas, coisas que podemos aprender e colocar em prática hoje. Mulheres inspiradoras que mudaram estruturas, quebraram tabus, que viveram intensamente seus dias e foram incrivelmente usadas por Deus. Uma delas foi Maria de Magdala, mais conhecida como Maria Madalena. Mas antes de falar sobre ela, quero dar um panorama do motivo que a escolhi para esse texto.

 

MUDAR É ALGO NATURAL, MAS PERDER A IDENTIDADE NO CAMINHO É PERIGOSO.

Quero que reflita sobre essa afirmação. Concordando comigo ou não, uma coisa é certa: estamos em constante mudança. Tenho certeza que você não é mais a mesma pessoa do ano passado. Eu não sou a mesma de 10 anos atrás e com certeza não serei a mesma daqui 10 anos. Nós mudamos. 

Mudamos por conta de tudo o que acontece a nossa volta, a maneira como respondemos a isso e o que aprendemos com cada momento vivido. Até nos definiram como “mulheres de fases”, e realmente acredito que isso seja verdade rs. Amadurecemos, mudamos de opinião, uma hora gostamos de cabelo curto, outra de cabelão, uma hora queremos conquistar o mundo, daqui a pouco nos pegamos em solitude. E, junto com as transformações naturais que nos tomam, ainda estamos expostas a mais transformações quando coisas ruins nos acontecem. Traumas, abusos, decepções, violências. Não podemos prever o que nos acontecerá, mas sabemos que tudo isso pode interferir em quem somos. 

E minha amiga, depois que a tempestade passa, seja ela boa ou ruim, uma hora você tem que lidar  consigo mesma… e no fim do dia, você consegue se reconhecer? Nos tornamos pessoas melhores depois de tudo isso ou passamos por cada fase e perdemos nossa identidade no caminho?

IDENTIDADE. Uma palavra tão simples mas com um significado tão complexo. Você tem ideia de quem é? Tem ideia do que gosta de fazer? Você tem ideia se suas atitudes estão te levando para a melhor direção? Tem ideia de qual é o propósito da sua vida? E quando você não consegue reponder essas questões e outras, então te aconselho a ter um encontro… Um encontro com Aquele que te criou. 

 

MARIA MADALENA

Com todo esse contexto, quero te apresentar essa mulher incrível. Não sabemos muito sobre ela, mas o que está apresentado na Bíblia é o suficiente para aprendermos com Maria.

Quando olhamos o contexto história, social e cultura de Maria Madalena, sabemos que não era fácil ser mulher no período em que Jesus esteve na Terra. Com o decorrer do tempo e por força das influências estrangeiras, especialmente a grega, as mulheres foram excluídas de toda atividade pública e passaram a ficar relegadas ao lar. Elas não tinham voz, não tinham direito, não podiam aprender com os mestres, apenas em casa com seus maridos. Eram mortas e violentadas com frequência, não tinham leis como Maria da Penha que pudessem respalda-las. Contudo, quando vejo Jesus, vejo o amor de Deus. Jesus foi rejeitado por muitos judeus principalmente pelo fato de colocar pessoas excluídas como iguais. Marginalizados, elite, doentes, pobres, ricos, religiosos, gentios, homens e mulheres… todos foram tratados como iguais. Jesus teve mulheres que o seguiram, foram suas discípulas, aprenderam junto aos homens. Ele quebrou todos os paradigmas humanos possíveis e isso fez com que Maria Madalena se entregasse a Ele de corpo, alma e espírito.

“E aconteceu que, depois disto, ele foi em todas cidades e aldeias, pregando e anunciando as boas novas do reino de Deus; e os doze estavam com ele, e certas mulheres, que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios, e Joana, a esposa de Cuza, mordomo de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com os seus bens.” – Lucas 8:1 -3

“Quando o centurião e os que com ele vigiavam Jesus viram o terremoto e tudo o que havia acontecido, ficaram aterrorizados e exclamaram: “Verdadeiramente este era o Filho de Deus!” Muitas mulheres estavam ali, observando de longe. Elas haviam seguido Jesus desde a Galiléia, para o servir. Entre elas estavam Maria Madalena; Maria, mãe de Tiago e de José; e a mãe dos filhos de Zebedeu.” – Mateus 27:54-56

“E no primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu a pedra tirada do sepulcro (…) E disseram-lhe eles: Mulher, por que tu choras? Ela lhes disse: eles levaram o meu Senhor, e eu não sei onde o puseram. E ela, tendo dito isso, voltou-se para trás, e vê Jesus em pé, mas não reconheceu que era Jesus. Disse-lhe Jesus: Mulher, por que tu choras? A quem procuras? Ela, supondo que fosse o jardineiro, disse-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde tu o puseste, e eu o levarei. Disse-lhe Jesus: Maria. Ela, voltando-se, disse-lhe: Raboni, que quer dizer, Mestre.” – João 20:1 – 16

São essas todas as informações que temos de Maria Madalena na Bíblia. Os únicos três momentos em que seu nome é citado. Com eles, podemos tirar 4 pontos:

1. Maria era de Magdala, uma das nove cidades na costa oeste do mar da Galiléia. 

2. Ao longo da história, a identidade de Maria Madalena confundiu-se com a de outras mulheres no Novo Testamento, pois Maria era um nome muito comum e muitas Marias cercaram Jesus. 

3. Em nenhum lugar Maria Madalena é mencionada como “mulher pecadora”. Ela era simplesmente uma mulher de quem Jesus havia expulsado sete demônios.

4. Ela esteve nos momentos mais importantes da vida de Jesus: durante os anos em que pregou a palavra, no dia de sua crucificação e no dia em que ressuscitou (detalhe, foi ela a encarregada de dar as boas novas para os demais). O que me leva a pensar que sim, Maria era uma discípula de Cristo e, com certeza, ela quebrou todos os paradigmas de sua sociedade machista, para ser Sua seguidora.

Não sabemos como era sua vida antes de Jesus, mas se carregava tantos demônios, tenho a impressão de que ela não era bem vista, talvez até mesmo excluída. Quando penso em Maria, penso em uma mulher que estava perdida nela mesma, que não conseguia se reconhecer, não com tudo aquilo que a estava segurando. Mas Jesus, de alguma maneira, encontrou Mari Madalena. Ela a amou, viu suas fragilidades, a libertou e a fez ver quem ela era Nele. Por isso, ela desejou ser sua discípula e correr todos os riscos para estar ao seu lado, pois finalmente, ela se encontrou e se encontrou Nele. 

Jesus era seguido por muitos homens, muitos homens que não concordavam com a presença de Maria e das outras mulheres. Talvez ela foi ofendida, hostilizada, mas se tornou resiliente por tudo o que passará até chegar ali. E, certamente, ela tinha a clareza de que sem Jesus nada mais valeria a pena. Sua mensagem, suas atitudes, sua vida, deram sentido a Maria Madalena. Quando leio, só consigo imaginar como Ele a amava Maria, porque sua entrega foi total, sem Jesus ela não teria mais nada. Maria se auto comissionou a ser sua discípula, foi voluntária, foi fiel, esteve com Ele até o fim e no começo de tudo. 

 

DEUS QUER RESTAURAR NOSSO IDENTIDADE NELE E COMO MULHERES.

Deus quer restaurar nossa identidade como Suas filhas e como mulheres. Quando olho para Maria Madalena, mesmo com tão pouco descrito sobre ela, eu entendo tudo. Jesus a encontrou e ela mergulhou de cabeça nesse amor. Enfrentou uma cultura, correu riscos, se atreveu. Maria teve um encontro tão real com Jesus que sua identidade de filha de Deus foi restaurada, mas não parou por ai. Ele também restaurou sua identidade como mulher. Ele a empoderou em uma sociedade contra mulheres em posição de autoridade. Ele deu um sentido para sua vida, a fez ser referência para outras mulheres que também se identificaram com aquela mensagem de salvação, igualdade e fraternidade.

E quando falo sobre restaurar nossa identidade, vejo tudo o que aconteceu com Maria e tantas outras pessoas descritas na Bíblia, só consigo pensar em algo: ninguém melhor para nos levar a essa redescoberta de quem somos, senão Aquele que nos formou. Deus nos fez, nos conhece por inteiro, sabe nossos limites, nossos pontos fortes. Ele sabe, Ele pode e Ele quer! Mas, para isso, precisamos nos despir de toda zona de conforto, de todo lugar seguro, de todas as barreiras e permitir que Deus nos leve ao desconhecido, precisamos confiar Nele assim como Maria Madalena confiou e se entregou por inteiro. 

“Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” – Isaías 55:8,9

Como fazer isso?

  1. O busque com toda a sua força.
  2. Permita-se viver e descobrir o que você gosta de fazer, seus dons, seus talentos naturais, coisas que Ele mesmo colocou em você.
  3. Não tenha medo de se arriscar quando sentir que é nessa direção que Ele está te levando.
  4. Conecte-se a pessoas que serão mais que amigas, serão conexões para essa jornada.
  5. Mude, encontre sua melhor versão.
  6. Saiba que você não está sozinha, mas procure dentro de você as respostas.
  7. Lembre-se, tudo vem Dele, por Ele e para Ele.
  8. E se ainda assim não conseguir, estamos aqui, conte conosco, conte comigo.

Vai fundo garota! Entre de cabeça nisso e se surpreenda com as descobertas lindas que terá de você. Acredite, eu passei por isso, pode doer no começo, mas valerá a pena.

Com amor, Lari.

 

 

Sobre o autor:

Fundadora do GPMOVE, pastora e jornalista.

Fb: Larissa Marolla / Instagram: @larissamarolla

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×
×

Carrinho