Mulheres na TI

Olá! Quero compartilhar um pouco da minha experiência de ser mulher e trabalhar com TI, um
universo composto em sua maioria por homens.
Comecei a trabalhar com tecnologia aos 16 anos, e desde aquela época vejo o mercado de TI
cada dia mais com profissionais mulheres, mas ainda há muitos paradigmas sobre esse
assunto. Principalmente no início da minha carreira, passei por diversas situações chatas, que
muitas mulheres passam até hoje.
Sofri diversos assédios por ser simpática e educada. Ouvi que ali não era o meu lugar. Tive a
minha competência colocada em prova inúmeras vezes. Ouvi também, que a minha promoção
era mérito de um relacionamento com um outro funcionário da empresa, e não pelo meu
desempenho. Fui julgada pela minha vestimenta. Quais foram os efeitos disso? Choro? Sim,
algumas vezes. Feridas na alma? Temporariamente, porém totalmente curadas. Desânimo?
Jamais! Motivação? Sempre!
Todas essas provações me fizeram ser quem sou hoje, formaram meu caráter, pois ao invés de
me vitimizar, de desistir, fui além dos meus limites, superei minhas dificuldades, dobrei minha
capacidade, ganhei meu espaço e respeito pelo meu trabalho e desempenho.
Hoje, a mentalidade das pessoas e empresas vem mudando e há cada vez mais projetos, ações
de empoderamento e incentivo para aumentar o número de mulheres, principalmente nos
cargos mais altos (procurem conhecer o Up[W]it.org).
E apesar de todos esses episódios citados, sempre tive a sorte de trabalhar em empresas
incríveis e com homens maravilhosos (e mulheres também <3 ), que sempre me apoiaram e
me ajudaram na minha trajetória.
A vocês que me ajudaram, meu muito obrigada, minha eterna gratidão. <3
A vocês que me julgaram, meu muito obrigada, minha eterna gratidão. <3
A moral da história aqui é a seguinte, seja quem você nasceu pra ser. Faça aquilo que a sua
alma queima por fazer. Supere todos os desafios, porque sim, eles existem, e não, eles não são
fáceis.
Não desista, persista! Persiga seu sonho e cumpra com seu propósito seja ele qual for!
Um abraço, e vamos à luta.

Susane Gama

Deixe uma resposta